Eu não perdi mas a mim perderam-me

Não perdi ninguém, simplesmente me perderam. Sempre me esforcei para dar o meu melhor, entreguei-me incondicionalmente, arrisquei tudo por amor.

perderam-me

Lutei muitas vezes com esse ser insuportável que carregava dentro de mim. Tinha milhares de receios e demónios internos.

Mas apesar de tudo, sempre tentei dar a melhor versão de mim.

Não me arrependo nem um bocadinho de nada, e fiquei com a tranquilidade de que tudo o que fiz, foi com boas intenções. Tudo o que disse foi realmente sincero e verdadeiro.

E isso jamais perdi, a minha sinceridade. Mas a mim perderam-me.

Que amor é o teu?

Que amor é esse?
Que amor é esse…o teu?
Que não sente?

Que não tem tempo??? Há tanto tempo!!!

Que amor é o teu

Que amor é esse…que não desespera? Que está ausente? Que não sente dor?

Que amor é esse…que faz sofrer? Que não preza? Que despreza? Que nunca entende?

Que amor é esse…que não dói no peito?
Que não compreende a solidão?

Que ouve a tristeza com os ouvidos da razão?
Que nem razão tem? Que amor é esse que não lamenta?

Que não tem coração? Que não vem?

Que amor é esse…que não se sustenta?
Que não respira? Que não se alimenta?

Que amor é esse…que definha por querer?

Que não vive? Que das cinzas espera renascer?
Que amor é esse…que tortura?

Que não sabe que se esgota? Que não cura? Que derrota?

Que amor é esse…que mata? Que extingue o desejo? Que se enfarta? Que perde o ensejo?

Que amor é o meu?
Que perde a esperança?

Que amor é o teu…que vive noutro mundo? Que não faz diferença? Que bateu no fundo? Que virou doença?

Que amor é o teu…que se afasta? Que não regressa? Que com pouco se basta? Que chama é essa?

Que amor é o teu…que nega? Que está à mercê de tudo? Que não se apega? Que fica mudo?

Com que amor esperas viver?
Com que vida esperas amar?

Preocupam-me as pessoas que dizem que andam à procura do amor

Preocupam-me-as-pessoas-que-dizem

Preocupam-me as pessoas que dizem que andam à procura do amor, como se o amor estivesse por aí e fosse comida de plástico, como se existisse um amor enlatado, um produto desenhado que se escolhe em qualquer montra de esquina.

Acreditam nos contos de amor que se vendem nas salas de cinema ou se fala nas rádios.

Ninguém pode procurar o amor, porque o amor, simplesmente se constrói.